sexta-feira, 8 de março de 2013

Sexta Feira Insana: CB 750 Gravedigger

Essa CB 750 1992, criada pela oficina portuguesa it roCkS bikes,  apesar de não ter elementos como suspensões invertidas, nem cores exóticas, pode ser considerada insana por ter quebrado regras em pequenos detalhes.
Ao se obeserva-lá, logo se vê que a moto tem um visual não tão exótico, como o de uma Streetfighter habitual, porém com um ar contemporâneo que a maioria das Cafes com base atual nem sempre alcançam.
Essa moto me fez pensar, que se o movimento "Ton-up", tivesse nascido nos nosso dias, acho que o visual das nossas queridas Cafes seria algo próximo a esse . As modificações que a moto recebeu foram a retirada de tudo o que fosse supérfluo, bem como as suspensões foram "rebaixadas" e atrás a moto ganhou amortecedores a gás. O chassi recebeu a "tradicional" encurtadinha na traseira... falando em receitas tradicionais, os carburadores tiveram apenas que ser readequados aos filtros de ar, que agora ficam "nas bocas". Na parte mecânica, o motor apenas recebeu "um trato", para continuar a esbanjar saúde, a moto ganhou uma bateria de gel e teve seus componentes reposicionados. Percebe-se que, quanto a parte mecânica, não encontraremos nenhum grande destaque. A sacada mesmo vem do visual, que começa pelo belo farol e passa pelo incrível painel repleto de informações e termina conjunto tanque e rabeta inteiriço de metal, que fica bem longe do comum.
Muitos podem até não gostar, mas se essa moto tentou representar uma releitura do clássico visual das cafe, ela conseguiu com êxito. Os amigos de Portugal tem mostrado que não estão para brincadeiras quando o assunto é Cafe Racer.
Os pais da criança: Osvaldo Coutinho e Alexandre Santos.
Para quem quiser conferir a fonte, basta clicar aqui.  Ai em baixo, segue o video para ouvir essa coveira ronronando, louca pra enterrar a mesmice que atormenta a maioria das motos:

2 comentários:

  1. Na verdade, as café racer tradicionais, de origem inglesa, tornaram-se fonte de inspiração para criadores, artistas gráficos ou designers que têm uma abordagem muito criativa desse universo.
    Ao invés de se centrarem unicamente na performance, focam-se na recriação de formas evitando o mero revivalismo. São o que eu chamo de construtores, uma vez que constroem verdadeiramente uma mota inédita e não uma recriação. É mesmo uma criação.
    A maioria de nós não faz isso. Somos assim, digamos, "preparadores", fazemos make up no visual da mota e afinamos a performance.
    A mota é elevada aqui, e bem, como sendo mais uma forma de expressão artística e como tal deve ser vista apreciada.
    Este, é o caminho mais evoluído que se pode ter e que poucos no mundo se atrevem a fazê-lo, conseguindo obter trabalhos excecionais. É este o caso.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.