quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Filósofo de Cafe: Ser Rocker ou não ser, eis a questão...

Inicialmente gostaria de agradecer a ótima aceitação que a seção Filósofo de Cafe teve em sua estreia. Fiquei extremamente feliz com a repercussão. Agora venho nessa segunda edição, chamar a discussão sobre o velho estilo Rocker: Depenar as motos, baratas por sinal, preparar o motor, fazer mescla de motos e sair tirando racha pelas ruas, desafiando limites de velocidade, buscando o "Ton Up" (100 milhas, ou os 160 km/h)por vezes arrumando confusão com grupos rivais, como era com os Mods. Pois bem, isso ainda acontece.
Mas a verdade que não somos nós que encarnamos esse espirito original racer. São eles...
Chamados por muitos de motoqueiros ( Eu não compartilho dessa linha de raciocínio que separa motoqueiro de motociclista) ou mesmo de "CGzeiros", ou até mesmo de marginais por alguns, tem comportamento bem próximos aos Rockers que nos exaltamos no estilo. Porém a verdade é que hoje, pelo menos a maioria não encarna o velho espirito Rocker. Se os CGzeiros e molecada de hoje em dia em geral tem um péssimo gosto estético, musical, pelo menos eles tem "mais culhões" (ou pelo menos menos massa encefálica) que a maioria dos caras que monta uma Cafe Racer.
Muito estilo, mas com pelinhos nas bordas do pneu...
Mas pera ai: Será que eu tenho que sair que nem um loco por aí para ser um Rocker?
Ai que reside a questão: Ao mesmo tempo que a cultura original pregava uma certa competitividade juvenil e também o mundo vivia um momento de extremo relaxamento e busca por sensações, típica da época do pós-guerra (Falarei ainda sobre isso), hoje o nosso momento é completamente diferente: Com a fiscalização cada vez mais rígida (tempos de "Big Brother" nas ruas) e até mesmo pelo fato de a maioria de nós não ser mais nenhum moleque de 18 anos ou menos... temos famílias, responsabilidades e tá bem difícil de se sair "azulando os canos" enlouquecidamente por ai. E sem falar que com a grana investida em muitos projetos, daria para comprar um Superesportiva atual que praticamente da "Ton Up" em primeira marcha. Então por que diabos eu tenho que arriscar meu couro nisso numa moto velha...
O tempo não para
Mas a verdade é que o tempo não para. Se por um lado o mundo das motos esportivas vive as do espirito voltas competição tecnológica absurda e  cria maquinas incríveis, esse mundo das "Super Sports" acaba incomodando por diversos fatores: A efemeridade das máquinas esportivas, pois em um ano ou dois você esta ultrapassado, a incrível performance dessas máquinas, que exigem habilidade muito grande, coisa inatingível para a maioria dos mortais. Da mesma forma que com o perdão da palavra, você pode ser comparado a um playboy babaca (Uma boa parte do pessoal das SS, mas sem generalizar), dos que pipocam por ai atrás de ostentação e xoxotas fáceis (nada contra xoxotas fáceis, mas temos conteúdo!)... Nos sabemos que quem gosta de moto mesmo, a tem por qualquer outro motivo e não apenas para "agregar valor ao camarote".
Linda moto, mas não serve para um Racer..
Da mesma forma que por vezes nos identificamos com o movimento das motos ditas "Custom" pela afinidade de gostos do Rock "n" Roll, e da customização de motos. E na verdade também por que o movimento Cafe Racer tem muito a ver com as Bobber e Chopper, em suas origens e até hoje andam próximos.
Roberto Jefferson e sua Harley, antes de ser preso. Dispensa comentários...
Mas as motos "Custom" por muitas vezes também acabam chamando a atenção de muitos "coxinhas" (Novamente sem generalizar!), o que irrita um pouco, quando somos comparados aos mesmo. E não satisfazem que gosta de alguma agilidade em curvas.
Moto " Brat Style": Oficina japonesa que virou referência nesse tipo de moto, que lembra uma Cafe Racer e uma Bobber ao mesmo tempo.
Eis que o espirito Cafe Racer ressurge, mas de forma diferente: Buscando diferenciação da maioria dos motociclistas, ressurge a ideia de se criar motos simples, com design clássico e atemporal, mas com alguma usabilidade e de preferência, que custasse pouco (restaurando maquinas antigas, dando um toque atual). De um estilo esquecido pela maioria, as Cafe Racers voltaram com tudo e viraram febre, que vem se espalhando pelo todo mundo e começa a pegar mesmo aqui no Brasil. E de quebra, ajudou ao ressurgimento de estilos abandonados, como as Scrambler e recriações, como as "Brat Style" que são essências como as Cafe Racer, mas não estão nem ai para a performance.
Será que é uma Rocker?
A verdade é que de certa forma, as Cafe em muitos casos estão virando "modinha". Mas tenho percebido que entre os amantes, a maioria é composta de pessoas que entendem um bocado sobre moto e sobre a cultura automotiva em geral. Isso é algo muito bacana.
Cafe Racer: Os hipsters piram..
Ou seja, a maioria de nós, tem alguma cultura sobre motos e por que não, uma cultura geral acima da média, ao menos brasileira. Se os CGzeiros  inconscientemente se aproximam do Rockers originais na doideira ou como é chamado hoje, "Vida Loka". O "Rocker" de hoje em dia (Não me refiro aos roqueiros, fãs do gênero musical exclusivamente) é um cara que curte estilo clássico, mas com alguma esportividade e racionalidade. Mas isso não quer dizer que sejamos brações: Talvez estejamos mudando um pouco o conceito da coisa e não comprando rachas que não valem muito a pena. Para encerrar e ilustrar, deixo o vídeo gravados pelo amigo Fernando Moré, que mostra que Cafe Racer ainda dá um bom caldo:

14 comentários:

  1. Cara, primeiro parabéns pela matéria e blog. Vou dar uma opinião ao tema "Ser rocker ou não ser". Resumindo, acho que a internet contribui pra muitas coisas boas e muitas ruins. Por exemplo, lembro de meu pai contando sobre ver passar uma moto customizada no inicio dos anos 70.Ele conta que ela tinha uns detalhes em couro e uma frase com os dizeres " Asa de trapo". Imagino que o dono desta moto se inspirou em filmes como Easy Rider e outros da época, como fazemos hoje com a internet, para ter referencias. Mas o que me fez pensar no lado ruim da internet é a forçada de barra que vi alguns fazerem, como criticar os Mods e suas scooters, tipo "eu sou rocker". Gosto de motos, minha primeira foi uma Lambretta LI 1968, a segunda uma Lambretta MS-150, e depois tive uma intruder que vendi para investir em outro projeto. Gosto de todo tipo de moto e estou no Brasil e não na Inglaterra de 1960, onde penso que essa rivalidade de Rocker e Mod nem exista. Pra finalizar, um "cgzeiro vida loka" tem muito mais coragem do que um camarada que conheci que tinha duas Harley-Davidson na garagem do prédio, disse que instalou um mata cachorro e não anda com a namorada na garupa com medo de cair e esmagar a perna por causa do peso da moto (não é mentira). Ele vendeu uma a pouco tempo, e a outra ele sai de vez em quando. Brasileiro ostenta, é egoista e outra não respeita o gosto pessoal. Quando alguém posta um projeto a maioria vem falar tira isso, tira aquilo que tá ruim, ou seja a moto é do cara que tá comentando e não do que postou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. De fato, acho que de momento, na galera racer, os coxinhas por hora são minoria.

      Excluir
    2. "Brasileiro ostenta, é egoista e outra não respeita o gosto pessoal. Quando alguém posta um projeto a maioria vem falar tira isso, tira aquilo que tá ruim, ou seja a moto é do cara que tá comentando e não do que postou."
      .
      Concordo quando você diz que o bresileiro é egoísta e cheio de querer ostentar. De fato o brasileiro paga por status (muitas vezes falso status) como nenhum outro povo faz. Isso inclusive explica os preços absurdos praticados aqui. Como disse certa vez o presidente da Mercedez quando questionado sobre a diferença absurda de preços praticados aqui e na europa: "Cobramos tanto porque o brasileiro faz questão de pagar muito" disse o executivo.
      .
      Mas discordo quando você fala que o sujeito posta a moto e ouve comentários do tipo "tira isso, põe aquilo, faz isso" de forma q você deu a entender..
      .
      Vejo que quando alguém comenta algo nesse sentido, ele o faz como se estivesse sugerindo algo baseado no próprio gosto, mas raramente o faz com má intenção ou por puro desrespeito ou preconceito. Não vejo porque se sentir chateado ou ofendido.
      .
      Ademais, se postou, esteja preparado para os elogios, para as críticas e esteja aberto a sugestões.

      Excluir
    3. Bem,... quanto a “respeito”, se você não respeita o gosto de outro pode se dizer que motociclista você não eh na essência desse espirito,... quanto aos loucos que andam fazendo loucura como a primeira foto do desse post, bem, minha opinião, são uns idiotas (repeito a opção deles mas não concordo),... na estrada encontrei muitos desses e isso eh irritante e não tem na haver com coragem pois eles não são mais ou menos corajosos, são na em si mais idiotas e irresponsáveis e não creio que esse tenha sido o espirito dos racers (além é claro de colocar a vida e segurança dos outros em risco),... curto moto e consigo tanto andar a 300km por hora (embora só tenho chego a 298km/h) como fazer viagens longe pra visitar lugares e amigos,... E por fim sou favorável a distinção entre motociclista e motoqueira dando sentido pejorativo ao segundo e isso em nada tem relação com o tamanho ou potencia da moto,...
      PS.: coxinha e exibicionista tem tanto com moto como com carro,...

      Excluir
  2. Parabéns Douglas pelo texto e pelo blog, esta se tornando referencia.. para muitos..

    ResponderExcluir
  3. parabéns pela matéria, ainda não tenho minha café, tenho outras prioridades por enquanto, mas em breve farei a minha e digo quero faze-la biposto pois minha filhota adora andar de motoca comigo, qto as rivalidades.....sempre vai ter aquele que se acha mais que vc pq acha a moto dele melhor q a sua....entrar em rachas nas ruas e rodovias??????? pra que??? tira um dia pra fazer isso em autódromos é bem mais seguro e legal.....a vida é uma só e deve se ter valor.......abraço e mais uma vez parabéns!!!!!! ótimas matérias!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Ótima matéria. Quando montei minha CR Intruder 125 de baixo custo(digamos assim rsrs) e por intermédio desse blog que me inspirei, o intuito foi mais para uso diário e por gosto do Old school. Gosto de curtir a moto, muita gente elogia, muitas conversas se iniciam, muitos mas muitos amigos novos fiz com ela. Creio que como voce disse "Talvez estejamos mudando um pouco o conceito da coisa e não comprando rachas que não valem muito a pena" . Perfeita colocação!!!!!. Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Douglas, parabéns pela matéria, muito bem colocada, realmente você é dos poucos incentivadores do estilo Café Racer no Brasil, que você continue a nos estimular, quanto a mim você estimula, todo dia entro no Blog para ver se tem algo novo.
    Abraço.
    Renato Rangel- Legnar Concept.

    ResponderExcluir
  6. Pessoal acho que estamos discutindo o indiscutivel, Deus nos deu o livre arbitrio e cada um faz suas escolhas, quem quiser andar colocando sua vida em risco, pode acabar morrendo ou ficando numa cadeira de rodas, outros só querem provar que podem comprar uma moto de 50 mil que anda a 300 km para passear a 40 km/h, mas quem se importa, nós podemos sair e aproveitar para elevar nosso espirito em cima de uma moto sem se preocupar com demonstração de poder financeiro ou beleza, nós sentirmos livres e plenos, com o espirito leve como poucos. Abraços a todos

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pela matéria. Aliás pelo blog como um todo.
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. É pelo jeito o pessoal não entendeu que a essência do Rocker da época, que fazia sua própria CR e colocava nas ruas para apostar corrida é a mesma dos CGzeiros.
    Chamam os CGzeiros (que já é um tanto quanto pejorativo) de idiotas, insanos e sem responsabilidades. Tudo bem que na época dos Rockers as coisas eram diferentes, mas a essência é a mesma, "envenenar" as máquinas e correr nas ruas pra ver quem é o melhor.
    A galera critica isso, mas se inspira nesses "idiotas" de época pra montar suas motos, umas belas, outras não, gastando muito, ou mesmo gastando pouco.
    Se acha idiota a idéia de montar uma moto pra correr, seja ela uma CG ou uma Hayabusa, por que raios você quer entrar num mundo desse?
    Se você vai cair nesse mundo de cabeça, apenas pra ter uma motinha bonita, com cara retrô, mas que vai aos encontros com a moto na carretinha, sinto muito em dizer, mas você é como qualquer outro "coxinha" de HD ou mesmo os "playboys babacas" de SS.
    Não digo que todo mundo que vá montar ou comprar sua CR tem de sair por aí alucinado pelas ruas, mas respeite todo mundo, seja ele motociclista ou motoqueiro (eu não vejo distinção), seja ele um CGzeiro ou Custom.
    Humildade e respeito acima de tudo galera.

    Abraços
    Farias

    ResponderExcluir
  9. Um pouco atrasado nesse post, mas concordo plenamente com tudo que foi dito.

    Ass: Reginaldo Tenório - ressurgido das cinzas!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.