quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Nova seção: Filósofo de Cafe.

Hoje inauguro essa nova seção aqui na Garagem: Filósofo de Cafe. Com essa série de textos, pretendo dar uma abordagem que até então não havia sido contemplada aqui: a da cultura Cafe Racer. pretendo aqui lançar discussões sobre o estilo, tanto de vida com o que se relaciona a customização em geral. E começo de uma maneira bem legal, a partir de um e-mail recebido do Ailton Cezar, de Recife que trás uma discussão bem legal sobre o estilo, o qual transcrevo a seguir. Clique e leia.
"Olá garagista, Tudo bem? espero que sim. Acompanho seu blog, visto que em minha empresa é liberado, o restante é bloqueado, então, em um intervalinho, visito sempre, e posso te dizer, parabéns por manter viva esta paixão. Gostaria de contribuir, e por favor não encare como crítica negativo, ou que eu queira ser mais e tal, não é isso ok?

Bom, tenho 50 anos feitos em janeiro, e muitos anos de motociclismo, possuo motos desde a década de 70, já competi, e hoje sou praticante de motovelocidade, mas minhas motocas estão sempre na minha sala necessitando de um aperto pintura etc.. Gostaria de poder trocar com você algumas experiências que tive na Inglaterra e Portugal, na Inglaterra em Hereford, onde conheci um morador de lá, quando fui ver as corridas da isle man, fiquei doente e fui hospitalizado, sem falar um pingo de inglês, e lá conheci um médico português que morava nesta cidade, e era um adorador de motos, como nós, passei no hospital 10 dias, e depois fui até esta cidade conhecer sua residência, lá vi coisas magnificas, coisas que no brasil seriam impossível de ocorrer, mas vou deixar estas histórias de lado, e ir diretamente a minha sugestão. 
Hereford, Inglaterra
Aprendi lá, que os estilos de Racers, da Inglaterra, eram assim despojadas, uma por aliviarem mais o peso, a a outra eram porquê naquela época, não haviam mais motos para vendas, pois toda as indústrias deveriam fabricar armas, quando tudo acabou, os espojos de guerra (sobra) eram vária e várias sucatas, e muitos dos jovens pegavam estas sucatas e misturavam peças, sempre focadas mais no motor, quanto mais preparado melhor, não cuidando muito da aparência, e é ai que eu gostaria te sua ajuda, em incentivar este espírito, o espírito do entusiasta, pois os Racers tinham que entender um pouco de mecânica, e resgatavam da morte certa, máquinas primorosas.
Na foto, uma "Triton" que era a cruza de um chassi Featherbed Norton com o motor da Triumph Bonneville T 100

Porém no brasil, e nos EUA, criou-se programas, onde as pessoas pegam motos prontas, originais, com longa vida pela frente, e a transformam em algo parecido com nada, matam a moto, e ai pergunto, pegar uma moto toda pronta e funcionando, para transforma-la, é tirar o seu espírito que ela possui, e transplantar um que não é o dela?
Apesar de ser um trampo muito bem feito, essa moto é um exemplo de customização que corrompeu a alma da moto.
Ao passo que os Cafe Racers, pegam peças soltas, motos velhas já sem vidas, e trazem de volta ao convívio, renovadas, com novo sopro de vida. É fácil pegar uma moto em pé, transforma-la e dizer que fez, e outra coisa é pegar um amontoado de peças enferrujadas e dar outra vida para elas, deixando-as cafe Racers, bem ao contrário dos programas na tevê americana sensacionalista. Então, queria contribuir com este sentimento, me dói ver um 750 four toda cheia de vida, inteira, que longos anos de vida ainda possui, e vem um "artista" e começa a cortar, desmantelar, e colocar um estilo em algo que já era muito bom, deixando em algo duvidoso muitas vezes.

Até aqui concordo com o Ailton: Nem sempre é bacana sair passando a serra numa moto. por exemplo, seria um crime cortar uma moto como essa ai de cima.
 Ao contrário do verdadeiro Racers que pega um amontoado de peças, e delas faz uma relíquia única, traz de volta a vida algo só seu, uma nova e bonita moto, uma cafe racers. Seria muito interessante que se pudesse incentivar este espírito de renovação, e não transformação. Se você nunca fez isso, tente, pegue em um ferro velho, peças e vai montar vc mesmo uma nova vida, você vai ver que vai aprender a projetar, misturar, e tudo mais. Por favor não me leve a mal ok? 

Grande abraço.

 Ailton Cezar Recife"
Existem muitos trabalhos bacanas seguindo essa filosofia proposta pelo Ailton, como por exemplo essa moto feita pela Exesor, que você pode conferir mais detalhes na matéria  que postei aqui  na Garagem.

Bem, achei bem bacana o texto do Ailton, e em grande parte concordo com o que ele colocou. Bem, agora vou dar minha visão sobre o assunto, que desde já, não busca ser definitiva. É apenas um pouco diferente, talvez não tão extrema.
Será que essa moto não pode ser considerada Cafe Racer? Leia mais sobre ela aqui
Concordo com o Ailton plenamente nos principais pontos: de fato, nos primórdios do movimento Cafe Racer, de fato se corria com o que tinha na mão, apesar que com o passar do tempo, houve uma popularização das motos e diversos fabricantes na década de 60 tentaram pegar carona nesse movimento, como por exemplo a Royal Enfield Continental GT, que é uma reinterpretação da GT da década de 60.
Na época, os fabricantes perceberam o apelo que a velocidade exercia sobre os mais jovens

Ou seja, concordo sim que em muitos casos é bacana demais retirar uma moto da sucata plena e dar nova vida a mesma, sendo uma Cafe Racer. Também não me agrada a descaraterização de um modelo na maioria das vezes (falarei especificamente sobre isso numa outra oportunidade, fique ligado) e acho um pecado sair podando uma moto com condições ou em estado para ser tornar uma relíquia. Mas existem exceções, com as quais abordarei a seguir. 
Bela Suzuki Intruder customizada: Uma moto que temos aos montes ao menos hoje, não precisamos ter pena de passar a serra, se necessário.
Um desses casos por exemplo, é quando pegamos uma moto que se encontra de forma abundante no mercado e que ainda esta em linha, como é o caso das pequenas Suzuki intruder: Modificar o visual dela (que não é muito feliz quando original, diga-se de passagem) não chega a ser uma heresia, ao menos nos dias de hoje. Talvez no futuro, se esse modelos se tornarem escassos, isso seja um pecado, mas hoje confesso que não acho isso.
Outra questão importante, é notar que o estilo Cafe Racer está se tornando popular, mas se torna complicado exigir que todos os "Rockers" de nosso tempo saiam montando suas motos a partir do zero. Pois dificilmente a maioria vá ter sólidos conhecimentos de mecânica,  e quando muito, ter tempo, ferramental e espaço para realizar seus projetos. Eu admiro muito os projetos "Do Your Self", mas sei que não é para todo mundo. Essa questão de projetos caseiros x projetos feitos por oficinas vai ser abordada mais profundamente numa outra oportunidade pelo Filosofia de Cafe.

Ou seja, de fato, a visão do Ailton para mim é mais purista que a minha, apenas isso. Pessoalmente acho que projetos que seguem essa visão são detentores de GRANDES MÉRITOS, mas como os tempos mudaram, não dá pra desprezar projetos que usem bases mais novas de motocicleta ou motocicletas ainda operantes, e por vezes modificando de forma a se tornarem máquinas de bom gosto. Mas de fato, a minha concordância com Ailton, é que mesmo que a gente modifique uma moto, a alma da mesma tem que ser respeitada.

E amigo? o que você acha sobre isso tudo? Comente ai embaixo e caso tenha uma sugestão de assunto, mande um e-mail para garagemcaferacer@gmail.com e participe da discussão sobre a cultura Rocker hoje.

16 comentários:

  1. Olha tenho notado que o verdadeiro espirito das cafe racer na verdade é atingido por poucos...o importante e ser feliz com o que se tem tirando o maior potencial possível do mesmo com suas próprias mãos...regrinhas de como se ser um Rockers não é algo que se enquadre nessa cultura.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que temos que ver a realidade também do nosso país. Modificar uma moto minimamente já ocasiona dor de cabeça com as autoridades, imagina "frankesteniar" (inventei esse termo tosco agora) com peças e mais peças de outras motos.
    Outros tempos, outras realidades.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com ambas opiniões.
    Naquela época, o objetivo era pegar uma moto velha ou simples e transforma-la em uma corredora poderosa, utilizando poucos recursos e reutilizando peças de vários tipos.
    Acho que o hoje o apelo está realmente muito mais ligado a questão estética, além de estarmos sujeitos a novas normas e regras quanto a condição legal (legislação, padrões...) de uso.
    Acredito que o espírito esteja na renovação, claro que pode envolver uma certa transformação, mas mantendo os ideias de rebeldia, personalidade e criatividade.
    Torço um pouco o nariz pra certo projetos exagerados, "mutantes", mas são nada mais, nada menos do que uma releitura do que foi realmente a ideia cafe racer de antigamente, não que seja necessariamente a mesma.
    Hoje em dia se pensa muito mais em design do que em desempenho e essa questão da falta de conhecimento de mecânica pega muito, mas o espírito também envolve "mexer" no motor, conhecer o funcionamento, fazer reparos por conta própria...
    Enfim, é o que eu acho.rs
    Mas muito boa a ideia da nova seção, espero que acrescente mais ainda as pessoas que acessam.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Eu discordo em parte do texto.
    Os Rockers de antigamente utilizavam o que estava disponível. Se alguém tivesse como obter alguma moto nova, com certeza o faria, e isso não o impediria de modificá-la para obter um maior desempenho. A intenção principal não era resgatar uma moto condenada e fora de uso, mas sim pegar algo que estava disponível e melhorar seu desempenho para poder correr.
    Conheço vários Rockers de diferentes partes do mundo, e todos buscam a melhora no desempenho de suas motos, que nem sempre são antigas. O modelo preferido é a Triumph Thruxton, e adivinhem, eles modificam tudo para aumentar o desempenho.
    Aliás, eu considero um erro enorme chamar de Rocker qualquer um que tenha uma Cafe Racer apenas por tê-la. Para ser um Rocker, é preciso muito mais do que ter uma moto legal. É preciso ter atitudes de Rocker e isso não se adquire com uma motocicleta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sua foi a melhor opinião até agora... sensacional!! E a discussão ñ é quem é rocker ou ñ... eu sou um admirador das motos com estilo Café Racer e tenho desejo de realizar o mais breve possível o sonho de ter a minha Café. mas nem por isso sou um rocker( ñ passo nem perto de ser). Parabéns pelo texto e pela opinião... Eu concordo com vc!!!

      Excluir
  5. Concordo plenamente com o Ailton, tem cada coisa ai na net de Brasileiros que pensa que sabe alguma coisa, os caras acham que basta colocar uma rabeta de fibra em uma moto, e já chamam de café racer, são uns otários. Concordo também que lá fora, tem marcas que já exploram este estilo, no Brasil dos PTralhas e do "jeitinho do Brasil certo?" é diferente, aqui nada se cria, tudo se copia, e sempre para pior, não adianta justificar que o mercado não há peças, ou a dificuldade de legalizar, o estilo CAFE é este mesmo, pegar um nada e montar algo especial e único, como disse o amigo ai em cima, espaço, ferramentas, isso tudo para o verdadeiro espírito não é nada, quem admira e faz e tem no sangue este espírito, é uma pessoa humilde, pois vai necessitar pedir ao mecânico que desmonte seu motor, vai ficar lá olhando e participando do rejuvenescimento de sua máquina, pagar algumas coca cola para o cara da pintura para dar o toque especial, zincar os parafusos na loja do seu zé, dificuldades? se naquela época eles faziam porquê não havia motos disponíveis, e ultrapassavam as dificuldades, porquê acham que somos diferentes? vá a luta, seja criativo com suas soluções, pegar 10 conto e pagar em uma CB400 já pronta não o faz um café racers, pois vc não terá histórias para contar, ao contrário, quando pega um lixo(para alguns) e a traz a vida por recursos e mão de obra próprios, tem um zilhão de histórias para contar e outro zilhão de amigos que fez ao longo de sua montagem, quem já fez sabe disso. Comecei nesta vida, porque quando pequeno, meu pai colocou fora uma XLX250, sim jogou no lixo, pois estava em nossa casa de praia, e a ferrugem deu um trato geral, e eu era mto pequeno para andar, mas me marcou, pois andava na garupa e era feliz, quando deixamos de ir devido a doença de minha mãe a ferrugem tomou de conta, fiquei triste, mas depois de alguns anos, eu na praia, e vi uma moto diferente com o ronco diferente, e ai meu Pai disse, é nosso vizinho, que pegou a XLX e transformou. Que sensação maravilhosa ela toda nova, suspensão, tanques eram diferentes, mas o motorzinho estava lá, era uma cafe Racer, e ai fui contaminado, hoje já estou em minha 4 cafe, um 360 honda que comprei pela internet, quadro e motor, logo ficará pronta. aprendi a mecher no motor, pintar, serrar, esmerilhar, lixar,mas o mais importante foi fazer as amizades que até hoje é perpetuada, todos me conhecem, e quando surge uma moto detonada, velha, enferrujada, todos logo ligam para mim..... vai querer reviver esta? hoje, formei em direito, sou advogado concursado, mas o estilo café está dentro e fora de minha personalidade, basta um outro me olhar que ja saberá, "doutor, gosta de moto né?".... e assim, faço mais uma amizade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. isso sim é um Café Racer!!! Parabéns Doutor!!!

      Excluir
  6. eu não vim criticar, mas pra muitas pessoas o estilo é uma questão estética: pra eles é melhor customizar uma moto que ele comprou usada, ou em uma concessionaria do que pegar uma moto que ta a muito tempo em um ferro velho ou que não funcione mais e tentar transformar em uma cafe racer, todos nos sabemos que o brasil funciona de um jeito diferente com la fora para essa questão, mas na minha opinião, não importa se a moto é nova, usada ou se foi feita do zero. o que vale é a sua ideia e criatividade. não importa o estilo que vc curte, o vento na cara é para todos. eu tenho 17 anos e peço que não me levem a mal

    ResponderExcluir
  7. Rótulos. Para quê tantos rótulos? Fulano não é um verdadeiro Rocker porque usa tênis assim ou age assado, tal moto não é uma café racer porque o farol não é assado ou não feita de tal forma.

    Hoje existem muitas regras e rótulos para coisas que deveriam ser simples.

    Nenhuma café racer customizada atualmente será realmente uma café, pois foi concebida em outra época. Será que somente por isso terei que deixar de chamar esta moto de café racer?

    Pretendo customizar minha própria moto café racer, embora alguns puristas talvez achem que a pequena bolsa de couro que colocarei para levar capa de chuvas (essencial para quem usa a moto para trabalhar) a descaracterizará, mas eu quero é mais ser feliz e que as opiniões dos outros se danem.

    Imagino que ouvirei muito sobre esta história de rocker, afinal de contas não sei quase nada sobre esta cultura (apenas acho as cafés bonitas, assim como curto as customs tipo cruisers), mas o dedo médio (mesmo que mentalmente) já estará em riste pronto para responder aos ficais da vida alheia.

    Respeito a opinião do autor, mas concordo com pouca coisa que foi dita. Normalmente já crio uma má vontade quando leio alguma coisa como "o verdadeiro Rocker" ou "o verdadeiro motociclista".

    Até do rótulo de motociclista eu fujo! Mesmo me enquadrando em 99% das definições clássicas de motociclista eu prefiro ser chamado de motoqueiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahahahaa... Meu nobre colega, MOTOQUEIRO!!! a sua definição foi a melhor... pra que complicar e rotular tantas coisas q deveriam ser realmente simples??? mas as coisas são simples... quem complica são esses q se dizem motociclistas, e a minha definição de motociclistas são os motoqueiros q só andam de moto aos fins de semana e se tiver SOL... senão eles continuam apenas motoristas comums dentro de seus carros!!!

      Excluir
  8. Eu sou mais simples: prá mim o espirito está em "Faça Você Mesmo". Nada de mandar prá oficina. Quer uma cafe? Quer uma Bobber? Então faça você mesmo.
    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. discordo Rodrigo, nem todos tem habilidades, ferramentas e local apropriado para desenvolver uma customização, mas tem o desejo em ter uma maquina exclusiva, sem contar que customização é profissão de muitos, pode ver que mesmo que voce se empenhe em fazer o maximo de modificações em uma moto sempre tem o momento em que depende de outro profissional para realizar uma etapa do projeto, eu mesmo não costuro como vou fazer um banco? sendo assim quero que muitos que desejam ter suas motos personalizadas que as encomendem... num futuro proximo comigo hahahaha

      Excluir
  9. E esse papo que moto tem alma, é pura baboseira também. A moto é um reflexo do dono. Se a moto é toda original, sinal que o dono se contenta com algo comum. Se é original e muito bem cuidada, sinal que o dono é zeloso com sua moto. Se é personalizada na oficina é porque o dono quer ter algo exclusivo e por aí vai....
    .
    Agora, se o próprio dono personalizou, aí o cara tem ainda mais meu respeito. Em todos outros casos é apenas sinal que o cara gosta de andar de moto ou de ter uma moto legal. Agora alguém que para pra fazer sua própria moto, modificar, personalizar... esse não é um mero "andador proprietário de motos". Não, pra mim esse cara é como eu: É um apaixonado por motos. Ele aprendeu a mexer, a modificar, a fazer tudo para deixar sua moto do seu gosto. Enfrentou dificuldades, achou soluções, teve hora que pensou em desistir, mas seguiu em frente aprendendo na base do erro e acerto que fosse. Esse é o espírito dos que gostam de moto. Os outros apenas gostam de andar de moto ou de ter uma moto...
    .
    Faça você mesmo. Prá mim esse é o espírito. Não adianta nada o sujeito ir no ferro velho, comprar um monte de lixo e mandar um profissional resgatar aquela tranqueira. Não vejo um espirito Racer ou Bobber nisso independente do resultado final.

    ResponderExcluir
  10. Penso que hoje o que vale é a essencia da customização, os movimentos em si ficaram no passado pois faziam sentido na época, acho que nem em suas origens hoje o sentido seja o mesmo, aqui no BR então nem se fala, os puristas que me desculpem, não desejo que vejam com os meus olhos, mas na verdade para mim se querem ter um movimento que criem um a partir das realidades do presente, o que temos como referência e que nos atende atualmente é o estilo, design, a admiração e em alguns casos a nostalgia pelo retrô, querer vivenciar um movimento do passado, de um outro País e que nem mesmo a cultura da época ainda tem deve ser pura utopia... ou quem se intitula Rocker, Mods, Bobbers, Choppers, Old School, Yamazukys, Ironheads... discorda?

    ResponderExcluir
  11. Tá todo mundo certo e todo mundo errado, não concordo com ninguém nem discordo, muito pelo contrário! rs!
    Eu só quero deixar minha moto peladinha, leve, rápida e gostosa de pilotar. Se é café, chocolate ou cachaça não importa.
    Também não quero ser Rocker, Motoqueiro ou Motociclista. Só quero me divertir.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.