segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Free Spirit Night Race #4

Dia 11/10, antes do Feriado de 12 de Outubro, ocorreu a quarta edição do Free Spirit Night Race.
Não conhecem este pequeno mas bacanudo evento? Bem, Titio Regi vai explicar-lhes como essa pequena trip tem movimentado as noites de Santa Sampa.
Rockwheels Bar
O evento criado por Guilhes Damian, um dos administradores do Cafe Racer Brasil, surgiu da necessidade de marcar um rolê com os amigos e que nunca aconteciam. Sábados e Domingos a cidade costuma ficar tão cheia quanto dias de semana, então a escolha óbvia foi a noite. As benesses dessa escolha são o trânsito mais tranquilo, a temperatura muito mais agradável para rodar, além da cidade ficar muito bonita a noite com sua iluminação.
A incrível Indian 1911
No primeiro passeio, apareceram 5/6 pessoas e nessa época, o mesmo não tinha o nome que possui hoje. Nesse primeiro formato, foram quatro ou cinco passeios até que Guilhes pensou que seria interessante abrir a quem quisesse participar, dar aquele rolê com pessoas que curtem motos tanto quanto nós todos aqui e no final parar em um lugar legal para comer e beber (com moderação, afinal, estamos todos pilotando). E assim nascia o Free Spirit Night Race.
Lugar de gente feliz
O caminho é sempre definido previamente com uma largada e uma chegada, geralmente em algum point de São Paulo que tenha relação com o mundo das duas rodas, daí o nome Night Race, só não tem a corrida em si, pois os radares pegam pesado aqui em Sampa.
Nem amarrado digo que essa é a RD350 R do Guilhes
As fotos que vocês vêem nesse artigo, como o título do mesmo diz, é da edição de número 4 que saiu do Estádio do Pacaembu, como de praxe, lugar onde todos se encontram para depois dar o start no passeio.
O destino? O multifacetado Rockwheels, que é bar, café, barbearia tradicional, estudio de tatuagem e garagem. Bem, o nome diz mais do que qualquer descrição que o ponto final do passeio tem tudo a ver com esses passeios.
Presença feminina para equilibrar a balança. Cansa ver tanto barbado de moto
Nas palavras de alguns dos participantes, como no caso de Wel Calandria, fotógrafo, chefão do Classic Riders Brasil e que gentilmente cedeu algumas das fotos que fazem parte deste artigo, o evento tem ficado cada vez melhor, seja em participação, em quantidade de motos e pessoas, com uma ótima organização e com ampla divulgação retroativa para ver os dias que faltavam para o evento.
Shine a CB 400 do Marcio Maidame
Para o Luciano Siqueira Kkb, proprietário do Rockwheels, a principal finalidade de um encontro desses é confraternizar e usufruir da paixão de andar de moto, além de trocar informações sobre. Ele ressalta também sobre a diversidade de motos do passeio, onde vemos Harleys enormes e cinquentinhas rodando lado a lado, todos confraternizando como deve ser.
O barbudo de boné é o Luciano Kkb, do Rockwheels
Nas palavras do criador do passeio, o que o tem deixado feliz é que o mesmo tem crescido de maneira plural, com muitas motos de estilos diferentes e uma diversidade de pessoas muito interessante. Muitas mulheres pilotando, muitos pais com os filhos na garupa, todos andando juntos e se respeitando mutuamente.
Yamaha TDM 225 transformada em uma Bronco
Outro ponto que ele destaca é que o evento é curtido não só pela galera que participa do mesmo, mas sim também por aqueles que estão nas vias, nos carros, coletivos, calçadas. As pessoas buzinam, tiram fotos e acenam. Por fim, Guilhes considera que a educação dos participantes é exemplar. Todos obedecendo as sinalizações, andando de maneira segura e responsável, pois a segurança de todos os participantes é sempre uma preocupação e por isso mesmo, ele detestaria ver gente empinando, fazendo zerinhos e outras macaquices, o que denegriria um evento tão legal.
HD V Rod com a clássica pintura da Gulf
Por fim, eu que já tive o prazer de participar de uma edição ressalto que este é um evento que torço para que fique, que cresça e se torne quem sabe um dia, uma referência nas noites de São Paulo.
Para quem não é do Estado, fica aí a dica, organizem-se, rodem juntos como a irmandade de motos é conhecida, com respeito, troca de informações, responsabilidade e alegria.

Abaixo, algumas das máquinas que desfilaram no Free Spirit Night Race #4











3 comentários:

  1. Regi, seu lindoooooooo!!!!!!!!! Matéria showwwwwwwwww

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu não fui... Muito triste...
      Só esperando a Ducati me patrocinar com uma Scrambler...

      Excluir

Tecnologia do Blogger.